domingo, 14 de junho de 2009

Ai, Serge...

* Um post quase que irmão do post de hoje da Kakau. Fomos ver ontem, debaixo de um friozão de cortar o rosto, a exposição sobre o Serge Gainsbourg no SESC Paulista.

* Eu tenho um certo fascínio por esses caras que a gente ama dizer que ama, mesmo que talvez não conseguisse passar um mês ao lado deles. Esses homens que têm musas, não namoradas. Que têm uma Gala, uma Frida, uma Birkin, uma Bardot, mas nem se importam. O tipo de coisa que parece instigante visto de fora, mas um pesadelo vivido de dentro. O sexo sem neura, as orgias, as brigas seguidas de reconciliações memoráveis, as traições consentidas, música, pintura, fotografia, festas... Quando digo "fascínio" não é uma vontade de querer fazer parte, é uma curiosidade, só isso. De saber como é de fato ser (e viver com) um hedonista. E como eram/são as mulheres que convivem/conviveram com isso. 

* A exposição é maldosa. No bom sentido: tem francês sussurrado em alto e bom som do começo ao fim, enquanto você passeia por um labirinto visual de espelhos, sons e imagens que mostram todas as fases do artista. Some-se a isso fotos das musas, fotos do Serge, fotos do Serge com as musas em posições quentes e em tamanho natural (!!!), trechos de filmes, entrevistas, canções de putaria chique... Quase que uma lavagem cerebral. É sair de lá e se jogar na primeira agência de viagens pedindo uma passagem só de ida para Paris.

* Para invejar toda a versatilidade e "carisma" do Gainsbourg:

--> Serviço: 

"Gainsbourg, artista, cantor, poeta, etc" // GRÁTIS! // @ SESC Paulista // Avenida Paulista 119 // Até 7 de setembro // o SESC fecha às 20h // Fone: (11) 3179-3700 // Da Revista Época: "A exposição é dividida em quatro períodos da história do homenageado: O “período azul” (1958-1964), Os ídolos (1965-1969), A decadança (1969-1979) e Ecce homo (1979-...). "

* Saindo ainda meio hipnotizada de lá, suba até a cobertura, onde fica o café. Parada obrigatória para os quitutes juninos e para a vista linda da Paulista:


* Olha que boa idéia os cardápios em forma de bandeirinhas juninas:

* Nós experimentamos o cuscuz de sardinha, o bolo de rolo e o chocolate quente. Todos deliciosos, mas o cheiro do quentão era o mais chamativo (não gosto muito). Tudo fresquinho: doces de abóbora, de côco, pé de moleque, sopa de abóbora... Delícia! Programa perfeito para um dia cinza como o de hoje!

* Para encerrar, claro:

3 comentários:

Edson disse...

Pô, bacana o lance cultural em Sampa é forte... e esse Serge "se jogou" mesmo..., gostei do teu texto quase voluptuoso...hehehe

Abraço

Saudosista disse...

"Je T' Aime Moi Non Plus" na minha época provocou o maior burburinho..... como os tempos mudaram....

Paulinha disse...

Vou tentar ver, fiquei curiosa!