domingo, 3 de setembro de 2006

Cachaça é Cultura!

Ontem foi o encerramento do 17° Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo no MIS.

Lo-ta-do.

Tirando o nervosismo de todo mundo que subia ao palco para premiar E ser premiado (erravam nomes, se esqueciam dos prêmios, se atrapalhavam nas falas, etc), e tirando uma senhora de cabelos brancos, boné vermelho e allstar azul que sentou ao nosso lado e berrava coisas absurdas ("eu dava conselhos ao Sílvio Santos", "tô cansada de filmes gays, chega de homossexualismo!", "o mundo tá cheio de AIDS!", etc), tudo correu muito bem.

"Manual para Atropelar Cachorro" recebeu mais dois prêmios: o da escolha do público (10 curtas foram selecionados, veja abaixo) e o da...Cachaça.

Não me perguntem o porquê de um prêmio da "Cachaça", mas como a própria pessoa que entregou o prêmio disse, trata-se de um prêmio 'auto-promocional'. Não consigo me lembrar do nome da Cachaça, o que prova que o marketing não foi tão eficiente, mas as duas meninas que subiram para apresentar os vencedores fizeram a parte comédia da noite: eram despojadas e engraçadas, além de terem sido as únicas a decorarem de fato os nomes dos filmes e dos seus diretores.

O mais engraçado é que o "Manual" ganhou o prêmio Cachaça por..."Melhor Filme de Amor". O que nos leva a crer que talvez eles não tenham visto o curta, ou que talvez tenham bebido um pouco demais ao ver a exibição.

Valeu mesmo assim. O prêmio animou a festa.

* Quatro observações:

1- O curta "Manual para..." é baseado no conto de mesmo nome do jovem escritor, tradutor e várias outras coisas Daniel Galera. Ele também tem um blog ótimo, dá uma olhada!

2- Depois de quase 400 curtas, os dez melhores nacionais segundo o público do festival foram: "A estória da Figueira" (Julia Zakia), "Balada das duas mocinhas de Botafogo" (Vale & Feyer), "Barbie problemas da vida" (Yan Whately), "Manual para atropelar cachorro" (Rafa Primo), "Memórias sentimentais de um editor de passos" (Daniel Turini), "No princípio era o verbo" (Virgínia Jorge), "O som da luz do trovão" (Scorza & Lorena), "Super-Herói fora de série" (McHaddo & Disca), "Tyger" (Guilherme Marcondes), "Viva Volta" (Heloisa Passos).

3- Na foto, Zita Carvalhosa (diretora do festival) com a Equipe do "Manual para...": Daniel Gaggini, Pupu, Rafael Primo e Barbara Paz. Foto by moi.

4- Recebi alguns e-mails perguntando se o curta vai para o YouTube. Ele não pode ser colocado lá até que seja exibido pelo Canal Brasil. Aviso quando for passar na TV.

ATUALIZAÇÃO DO POST: descobri no site oficial do Festival que o nome da tal cachaça é "Cachaça Cinema Clube", e que eles têm até um site legal, esse aqui. A frase que abre o site é ótima: "Porque Cinema é nossa Cachaça."

4 comentários:

Alexandre disse...

Eu já li umas coisas do Galera na época do CardosOnline, era bem massa. Já leu 'O Triângulo'?

bjos

Cláudio Silvano disse...

Deve estar toda orgulhosa né?

Parabéns para a mana! Pelo prêmio Cachaça e tudo mais! hehe

Beijos, Ana!

Bean disse...

não li esse aí, não. Mas adorei o estilo dele, e pretendo comprar os outros. Um deles está esgotado, será esse?

Cax disse...

Que legal... Mais um prêmio!
Cachaça! Eu só não tinha reparado que "Manual para Atropelar Cachorro" é um filme de amor... Será que a falta de amor causou os atropelamentos?! Enfim... Parabéns para Pupu e Rafa, eles merecem!
beijo Bean!