terça-feira, 20 de março de 2007

The Caminata Nocturna


A fotinho está pequena (clique para ver uma versão maior), mas dá para se ter uma idéia. Nela, uma família mexicana tenta cruzar a fronteira com os EUA enquanto tira uma foto para a posteridade. Um "border patrol officer" tenta capturar os chicos.

Turismo em favela já era. O que pega agora é essa atração de um parque mexicano: o "Border Crossing". Li na edição de janeiro da Newsweek, que tirou do site Slate. Clicando no link, você lê o artigo original em inglês e vê esse desenho que eu roubei.

Se a Sol da Debora Secco tivesse visto isso antes, teria feito um treinamento mais realista que aquela viagem de balsa rídicula. Nem precisaria ter viajado dentro de um porta-malas segurando o globo de vidro.


Esta é a propaganda do passeio "The Caminata Nocturna", tirada do site do Parque Ecológico mexicano EcoAlberto (hehe).

Olha só quanta emoção:

** Por $14,00 dólares você pode passar pela experiência de ser um desiludido em busca do sonho americano. "Sem os três dias no deserto, sem o medo, e... sem a fronteira!".

** Você vai atravessar um rio de lama com cachorros enfurecidos (mas bem treinados) atrás de você, e vai ter que passar 15 minutos deitado em um milharal enquanto a polícia dá tiros para o alto (imagina isso aqui, no "Favela Tour". Seriam 15 mortos que -NÃO estavam no passeio- por dia).

** Quando os caras da imigração finalmente te encontrarem, eles gritarão com um sotaque bem carregado: "Think of your family, your kids! Go back to Mexico!".

Não estou inventando nada disso.

Segundo o site, a "migrant experience" começou há dois anos, e a intenção foi justamente gerar emprego em uma cidade de 2.800 habitantes que quase sumiu do mapa depois de todo mundo ter se mandando para os EUA... Eles dizem ainda, que muitos pais levam seus filhos ao parque para que eles tirem da cabeça o sonho de fugir para "El Norte".

Tragicômico... Vou colocar um trecho em espanhol com detalhes do passeio, porque a dramaticidade da língua faz toda a diferença:

"Obscuridad total, la adrenalina comienza a hacer efecto, la combinación de correr a través de terrenos llenos de obstáculos y la persecución sin mas ayuda que la un “pollero” resulta intensa y desconcertante.

Pero una vez aceptado el reto no te puedes echar para atrás. En ese momento, la idea de que este juego es en serio es la única certeza que tienes. Lo único que importa es llegar, pero el camino no es amable, a veces, demasiado para tus capacidades físicas."

ps: se a moda pega, logo-logo teremos a "Flood Experience" pra gringo ver... 50 minutos do mais puro terror em uma fantástica enchente cenográfica bem no meio de uma das maiores cidades do mundo. ElAlberto vai morrer de inveja.

5 comentários:

Angelo disse...

Tem que ter também o "Trânsito de São Paulo Experience". Você entra no carro com uma coleção de CDs e fica cantando sozinho. A cada cinco minutos o carro avança dois metros. Daí vc começa a enfrentar vendedores de água, amendoim, bala de goma, bichos infláveis, carregadores de celular e mapas. Pra te distrair, um moleque fica na frente do carro fazendo malabarismos ou um hippie fica cuspindo fogo. Toda hora vc tem que ir para a direita ou esquerda, para dar passagem para a ambulância ou a viatura da polícia. Enquanto vc não anda, motoboys passam livremente entre os carros, e sempre buzinando muito. Depois de uma hora e meia o passeio acaba. A experiência é mais emocionante no verão, num carro sem ar condicionado.

Bean disse...

hahahahahahahahahahahah
sensacional, Angelo!!!!
vamos patentear a idéia!
nem eu me lembrava do quão emocionante é o nosso cotidiano.

Rê disse...

Muito boa esta sua descoberta, Cá! Adorei!!

fernanda disse...

não demora mto e o pessoal de governador valadares dá um jeito de fazer a versão gringo-mineira das experiences!
bean, não experimentei o personal crayon não. medo tb, hehehe.
acabei de escrever sobre o sebastião estiva (será o original? será a versão?) e pus link pra entrevista que vc fez no sampaist.
;)

Bean disse...

sebastião estiva faria uma boa canção folk sobre isso tudo...